Uma reflexão sobre nossas múltiplas jornadas: “A vida ao alcance”, de Nélida Piñon

A bolsa feminina é um bem inestimável. Uma extensão natural do lar da mulher. Ao sair de casa, o seu cotidiano reproduz-se simbolicamente no conteúdo da bolsa. Ali concentra-se o que ela necessita para a exaustiva jornada longe da toca. Tudo que lhe permite afastar-se sem perigo, sem se sentir desalojada de seus pertences e que lhe assegura o retorno ao casulo.

Nesta bolsa, território mágico e secreto, a vida está ao seu alcance. Como uma espécie de armário onde fosse guardando guloseimas e quinquilharias que jamais constituem desdouro para sua honra.

Observo a minha bolsa. Ela é o meu calvário. Pesa uns dois quilos nos dias comuns. Quase sucumbo a seu peso e a seu mistério. Aflita, passo em revista o seu interior, apalpo suas vísceras, no empenho de eliminar metade dos pertences. Incapaz, contudo, de livrar-me de um excesso que me condena, trato de saber a que método e critérios obedeci na seleção destes objetos que, acomodados no fundo do leito da minha bolsa, atendem às carências de meus dias.

Mas como explicar minha alma em tão poucas palavras? Ou buscar descobrir as razões de as mulheres arrastarem estas sacolas que mais parecem um apêndice de seu corpo. Um membro a atuar em perfeita sintonia com as demais partes de sua anatomia. Em tudo oposto ao homem que, concentrando seu universo nos bolsos da calça e do paletó, anseia por desvendar que emoções se concentram em uma bolsa feminina.

E acaso deveria ser diferente? Como poderia a mulher, encerrada há séculos no aquecido serralho da casa, guardiã eterna dos objetos familiares, nos quais imprimiu a marca da frustração e do sonho, enfrentar a vida de frente, prescindindo justo daqueles elementos que fazem parte de sua memória ancestral, de sua profunda razão de ser?

Como iria ela confiar no seu futuro a um simples cartão de crédito, a uma carteira de identidade, a um chaveiro, símbolos masculinos, se não se sente ainda bem-vinda ao universo dos vencedores? Constituído de homens que dispensam a tralha feminina em nome mesmo da sua arrogância social. Da iniludível certeza de haverem sido, por tempo ilimitado, reis da terra. Aquelas criaturas que se sabendo únicas, intransferíveis, não têm contas a prestar senão a elas próprias. Onde quer que se apresentem, a simples presença física constitui a melhor resposta.

Igual às demais mulheres, arregimento meus bens, confio à bolsa a sorte do meu cotidiano. Na surdina da noite admito ser esta sacola uma canga pesada. Embora espere um dia livrar-me dela, quando erguerei ao céu louvações, alvíssaras.

Nélida Piñon, do livro de crônicas, Até amanhã, outra vez.
p. 123, Editora Record, 1999.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *